segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Revolução Industrial | A Inglaterra e o ouro brasileiro


Como o ouro do Brasil financiou a Revolução Industrial na Inglaterra.


Vimos no primeiro texto de hoje que a Revolução Industria foi um processo de mudanças que não começa apenas com as inovações tecnológicas, mas também com as mudanças ocorridas no Estados inglês anos anteriores. Vários fatores são apontados para o pioneirismo inglês como a abundância do carvão e do ferro, a modernização da agricultura e o domínio comercial inglês, mas o ouro brasileiro foi importante para a Revolução.

O "ciclo do ouro" no Brasil teve  início no final do século 17 trazendo uma onda de esperança a coroa portuguesa que buscava o enriquecimento e a estabilidade de sua economia, porém ao final do século 18, as minas de ouro brasileiras estavam esgotadas e Portugal estava em crise. O que aconteceu com o ouro que saiu do Brasil?

Na resenha do livro "Boa Ventura! A Corrida do Ouro no Brasil (1697-1810)" falamos sobre a fase aurífera no Brasil assim como seu período de decadência. O que nos interessa neste momento é destacar a relação existente entre Portugal e Inglaterra e de que maneira grande parte do ouro brasileiro iria parar nos bancos ingleses:

Nos séculos 17 e 18, a economia portuguesa era totalmente dependente da Inglaterra. Em razão de acordos acordos comerciais assinados entre os dois países, o governo de Portugal concedia privilégios aos produtos importados da Inglaterra.
O governo português usou o ouro explorado nas minas do Brasil para pagar as importações de produtos ingleses. Ou seja, toneladas de ouro que saíram do Brasil como pagamento de impostos cobrados pela Coroa portuguesa foram levadas para a Inglaterra.

O ouro que saía do Brasil cobrado por Portugal recheava os bancos ingleses e ajudou a financiar a Revolução Industrial do século 18.

FONTE: Apolinário, Maria Raquel. Projeto Araribá: História/ensino fundamental (6º ano). 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário